Nota

Poucos são os desenvolvimentos

Bom, como o nome indica, jardins (comestíveis neste caso), mais hérnia, juntos não dão bons resultados.

Mas tornar este blogue num local de queixume também está fora do que pretendo.

Infelizmente, as dores cada vez são maiores e tornam o dia a dia mais limitado.

Mas pode alguém verdadeiramente se queixar  neste mundo quando lhe toca maleitas destas ? Não. Há sempre alguém que estará pior.

Esta condição limitadora, traz-me no entanto muitas reflexões, sobre o ser humano, a sociedade, sobre a dita facilidade de “nos mudarmos”, e creio que no final, este universo é apenas um aspirador destas experiências, das melhores, às mais dramáticas.

Uma espécie de compilador, que se ajusta e evolui, pois há evolução, ainda que na escala temporal de uma vida humana, não sejam perceptíveis.

E talvez isso conte. Do prático, do agora, apenas aprendi que não é tão fácil simplesmente mudar.

Ainda que seja possível passar a palavra, divulgar, ensinar, retirar outros da ignorância a que estava sujeito ( e refiro-me apenas à questão dos químicos de síntese ).

Por aqui me fico, pois este novo editor  do wordpress está me a convidar a sair.

Eu macaquinho imagino-me humano

macaquinhos_armadosO que leva a humanidade a escolher sob o conhecimento que tem, um caminho que não tem nem saída, nem retorno, está para lá da minha compreensão.

Olhando os acontecimentos recentes, o estrangulamento das nações, das famílias, pela divida,  a teimosia em recuperar modelos económicos que são eles mesmos a causa do problema, a ausência de uma sequer ligeira preocupação por parte da classe politica, a omissão desta realidade nos meios de comunicação social,  uma ignorância ofensiva por parte de uma população em geral entretida em reality shows, guerras escamoteadas de religiosas, democráticas, civilizadas, que mais Continuar a ler

Olha quem apareceu hoje – Um Maná

Novo-Galo2Hoje acordei ao som do galo, mas o canto estava  algo diferente. E fartava-se de cantar, mais do que o habitual.

Ainda fui à janela ver o que se passava, pois maior parte das vezes o canto, serve para marcar território, perante ameaças como gatos ou algo a rondar o espaço dele.  E o que temos é muito territorial, tanto que, ultimamente quando vamos apanhar os ovos, não se pode tirar os olhos do sacana, pois atira-se a nós, fiel ao seu instinto de T-Rex, ou apenas de doido. Imagino que, comparativamente, é o mesmo que eu me atirar a um elefante cheio de determinação.

Mas de volta ao galo, vi-o a beber água tranquilo, e também reparei, que uma das redes do topo do galinheiro, tinha saído com o vento. Continuar a ler

Seja como for, vale a pena pensar

climatechange_n

É mais do que certo que não consigo, não posso, nem quero acompanhar, metade da informação que circula sobre as alterações climáticas. O resultado seria a loucura.

Ainda assim, gosto de permanecer um passo atrás dessa loucura, pois todo o tema sobre as alterações climáticas, levantam questões e frustrações, inerentes e relativas à própria natureza humana.

É devastador imaginar o mundo com um clima alterado, e por outro lado, face à bomba-relógio que cada um carrega dentro de si e a diminuta janela temporal que a vida proporciona nesta Terra, a tarefa parece tão brutal, com laivos de arrogância à mistura, em querer mudar alguma coisa neste planeta que por várias vezes levou as espécies à beira da extinção.

Já lá vão uns anos a acompanhar e a discutir sobre alterações climáticas. Primeiro de um ponto de acreditar que seria possível reverte-las, depois uma enorme frustração e desânimo, e agora de um ponto de Continuar a ler

O delicado primeiro post,

deste blog,  que dita um status inconsciente, que nem grilo falante de ser à grande, lembrei-me dos Toy Dolls , para  baixar rápidamente as expectativas. Não as vossas, mas as minhas, essas é que me lixam o zen.  E de certo modo revela logo um quelque chose de je ne sais quais sobre mim, e (acho que é desta), porque não usar a linguagem mística do Bagavad, sobre mim, mim e mim. Blasfémia ?  Continuar a ler